SOPA CARAMELA



SOPA CARAMELA
Com a chegada dos primeiros migrantes vindos da Beira Litoral para esta região, onde foram alcunhados de "Caramelos de ir e vir", surgiram também novos hábitos alimentares. Estava-se no início do século XIX; a alimentação destes migrantes era basicamente composta por sopa, cozinhada nos campos, onde trabalhavam de sol a sol, em pequenas púcaras de barro sobre grandes fogueiras.

A sopa era então confeccionada com toucinho salgado e enchidos que os "Caramelos" traziam da sua terra de origem, hortaliça ou batatas e uns "bagos" de massa. Hoje, a "Sopa Caramela" continua a fazer parte da alimentação diária das gentes da Barra Cheia e localidades vizinhas, tendo sido enriquecida, ao longo dos tempos, com a introdução de mais variedades de carne de porco (orelha, entrecosto, carne magra, toucinho, chouriço de sangue e de carne) e vegetais.

O Rancho Etnográfico de Danças e Cantares da Barra Cheia tem-se empenhado em manter e divulgar as tradições desta região, entre elas a "Sopa Caramela".

Modo de Preparação:

Coze-se feijão encarnado ou catarino com uma cebola inteira, carne de porco, em pedaços grandes, e enchidos. Miga-se repolho, couve, cenouras, batatas e nabo. Quando a carne e enchidos estiverem bem cozidos, retiram-se para um prato. Junta-se a hortaliça, cenouras, batatas e nabo bem picadinho e miudinho. Quando os legumes estiverem quase cozidos, junta-se massa (cotovelinhos) e um pouco de azeite. Depois de tudo cozido, deixa-se apurar, retira-se ou esmaga-se a cebola e verifica-se o tempero. Serve-se a sopa numa terrina e acompanha-se com as carnes cortadas em pedaços pequenos numa travessa.

Sem comentários:

Enviar um comentário