QUADRAS DA MOITA
PRAÇA DE TOUROS DA MOITA DO RIBATEJO, DOMINGO, 27 DE MAIO DE 1979. TOUROS DE D. LUIS PASSANHA PARA LUIS MIGUEL DA VEIGA, JOÃO MOURA, JOÃO RIBEIRO TELLES E FORCADOS AMADORES DA MOITA (CABO JOSÉ PITACAS BENTO) E DO APOSENTO DA MOITA (CABO JOSÉ MANUEL PIRES DA COSTA).
                        NA MOITA FEIRA DE MAIO
                        COM TOUROS A PUXAR P´RO FINO,
                        PREÇOS CAROS COMO UM RAIO
                        OBRA DO MOURA-MENINO

                        CÁ FORA CHEIRA A FARTURAS
                        HÁ CIRCO E MULHER ARANHA.
                        LÁ DENTRO ESTÃO ÀS ESCURAS
                        OS SEIS TOUROS DO PASSANHA

                        “AVIADOR” SE CHAMAVA
                        O PRIMEIRO QUE A LUZ VIU,
                        MAS COMO POUCO MARRAVA
                        O VEIGA NÃO SE LUZIU.

                        SÓ NUMA FARPA POR DENTRO
                        REINOU GRANDE ANIMAÇÃO,
                        TALVEZ PELO SENTIMENTO:
                        LEMBROU O TIO SIMÃO.

                        “SAÍDO” DE SUA GRAÇA,
                        O SEGUNDO DA FUNÇÃO,
                        DIFÍCIL, DE POUCA RAÇA,
                        NÃO QUERIA REUNIÃO.

                        HOUVE UMA VEZ QUE SAIU
                        E NO ENCONTRO SE PAROU;
                        MAS MOURA NÃO TRANSIGIU,
                        COM O CAVALO SE QUEDOU.

                        E OS TRÊS PARADOS ALI,
                        PÔS A FARPA VERTICAL:
                        NAS REGRAS EU NUNCA LI
                        SORTE ASSIM TÃO BESTIAL.

                        VEIO A SEGUIR O TERCEIRO,
                        ESSE ENTÃO MANSO PERDIDO,
                        DE SEU NOME “JARDINEIRO”,
                        DE JARDIM NADA FLORIDO.

                        BEM MONTADO E COM FINURA,
                        ANDOU TELLES COM TAL RÊS,
                        UM DIA SERÁ FIGURA,
                        MAS NÃO BRILHOU DESTA VEZ.

                        UM SESGO GRANDE CRAVOU,
                        COM REMATE DE OVAÇÃO;
                        MAS QUANDO A SORTE BISOU,
                        SOFREU UM GRANDE ENCONTRÃO
                        (POR POUCO NÃO IA AO CHÃO).

                        COM O QUARTO, “O BARRILEIRO”
                        DO FESTEJO O TOM MUDOU,
                        SE EM BRAVURA FOI PRIMEIRO,
                        VEIGA P´RA ELE CHEGOU.

                        HOUVE FERROS EXCELENTES
                        DE PRIMEIRA EM QUALQUER PARTE;
                        AS COISAS SÃO DIFERENTES,
                        SE SOPRA O VENTO DA ARTE.


                        “QUE ME PASSEM NÃO CONSINTO”,
                        FOI O QUE MOURA PENSOU;
                        E SAIU O TOURO QUINTO,
                        “SARAMAGO” SE CHAMOU.


                        DEVE SER MUITO IRRITANTE,
                        VER TÃO PERTO E NÃO CHEGAR:
                        A GARUPA DO “IMPORTANTE”
                        NINGUÉM A PODE AGARRAR.

                        O MOURA ATÉ AGARRADO
                        ESPANTO CONTINUA A SER:
                        PELO TRIUNFO EMBALADO,
                        O “FERROLHO” DEIXOU COLHER;

                        POIS À SAIDA DO APURO,
                        ALI DETEVE A MONTADA,
                        CITOU QUIETO E SEGURO,
                        COMO SE NÃO FOSSE NADA.

                        PARA FECHAR A FUNÇÃO,
                        SAIU O “IMPERTINENTE”,
                        DISTRAÍDO E MANSARRÃO,
                        AO CAVALO INDIFERENTE.

                        HÁ QUE DIZER A VERDADE
                        POIS NELA ESTÁ A RAZÃO:
                        TEVE JOÃO TELLES VONTADE,
                        MAS FALTOU-LHE INSPIRAÇÃO.

                        DA MOITA ERAM OS FORCADOS,
                        DOIS GRUPOS DE MOÇOS, DOIS,
                        E NÃO FORAM DEMASIADOS
                        PR´AGARRAR AQUELES BOIS.

                        HOSPITAL, ENFERMARIA,
                        NA ARENA ATÉ OS MAQUEIROS,
                        COM MUITA FOTOGRAFIA
                        DOS TURISTAS ESTRANGEIROS,

                        HOUVE UM TOURO RECOLHIDO,
                        SEM A PEGA CONSUMADA.
                        NESSES CASOS É SABIDO
                        MEIA HORA DE ESTOPADA.

                        ENTRE OS TOUREIOS DE A PÉ
                        DOIS NOMES SE DESTACAM,
                        O GRILO E O JOÃO JOSÉ,
                        NA FORMA COMO BREGARAM.

                        O “INTELIGENTE” ARAÚJO
                        A TODOS MÚSICA DEU:
                        BOM HOMEM O DITO CUJO,
                        POIS NEM TUDO A MERECEU.

                        BRINDES E PALMAS E FLORES
                        HOUVE PARA A BANDA MODESTA,
                        QUE À PAISANA E SEM RIGORES
                        TOCOU COM ALMA DE FESTA.

                        BOM GOSTO E HARMONIA,
                        SENTIDO DE TOUREAR,
                        TEVE VEIGA NESTE DIA,
                        PARECEU RESSUSCITAR.

PUBLICADO EM:
DIÁRIO DE LISBOA DE QUINTA-FEIRA, 31 DE MAIO DE 1979

Sem comentários:

Enviar um comentário