LIBERDADE

                        Livre é a águia
                        Voando sobre a montanha
                        É o rio correndo
                        Em direcção ao mar
                        É o vento
                        Com a sua força estranha
                        São os pássaros
                        No seu inocente chilrear

                        Todos os seres nascem
                        Da mesma maneira
                        Livres com direito
                        De viver a vida
                        Um país para amarem
                        E a sua bandeira
                        Um sentido de honra
                        Para não ser esquecida

                        Gosto pela amizade
                        Pura e verdadeira
                        Todos têm mãe
                        Que lhes deu a vida
                        Que lhes ensinou
                        Que o amor é tudo
                        O que de melhor
                        Pode haver na vida

                        Mas tu homem
                        Que és imperfeito
                        Destrois e desprezas
                        Tais sentimentos
                        Só com a riqueza
                        Ficas satisfeito
                        Pouco te importando
                        Nobres sentimentos

                        No seu egoísmo
                        O homem tem feito as diferenças
                        Nas crenças nas raças
                        No Norte e no Sul
                        Porque infelizmente
                        Ainda há quem pense
                        Que por ser nobre e rico
                        Se tem sangue azul

                        Sangue azul
                        Porque se é rei e senhor
                        Deste mundo cheio de injustiças
                        São blasfémias
                        De algum ditador
                        Que à custa do povo
                        Vive na preguiça

                        Livre de ser pobre
                        Não é uma liberdade
                        É uma situação
                        Que nos é imposta
                        Porque quem não trabalha
                        E vive à vontade
                        Por quem do melhor
                        Tem a mesa posta

Martinha Marques Fernandes Fatia
Nasceu em 1947, em Pracana Cimeira, Mação, Beira Baixa e reside em Alhos Vedros desde os oito anos. Mulher trabalhadora nas indústrias corticeira e confecções/vestuário.



Sem comentários:

Enviar um comentário